19 fevereiro 2015

19 fevereiro 2015

Passe seu português a limpo!

A gente estuda, termina o ensino médio, entra para a faculdade, faz o TCC, conclui graduação, pós-graduação... Faz até PhD e o orientador ainda acha aquele errinho de português no meio da dissertação, que parece ter sido blindado a todas as suas revisões! O português é uma língua complexa, com várias nuances e regras que pegam a gente na primeira distração.

Listamos 10 erros teimosos de português para você ficar atento na próxima redação:

Erro: “Para mim fazer”
Forma correta: “Para eu fazer”

“Mim” não faz nada! Não se usa esse pronome antes de qualquer verbo.

Erro: “Fiquei meia chateada com você” / “A prova acaba meio dia e meio”
Forma correta: “Fiquei meio chateada com você” / “A prova acaba meio dia e meia”

A palavra “meio” é invariável em gênero quando usada como advérbio, para indicar “um pouco”. Além dos seus pés, a palavra “meia” serve apenas para indicar numeral.

Erro: “Nada haver”
Forma correta: “Nada a ver”

Às vezes, o “h” complica a nossa vida! Aí, de tão preocupados, colocamos a letra no lugar indevido. O mesmo acontece com “por ora” (não “por hora”); “daqui a pouco” (não “daqui há pouco”). Mas, olha a pegadinha! É “agora há pouco”, e não “agora a pouco”.

Erro: “Vamos comprar macarrão ao invés de peixe”
Forma correta: “Vamos comprar macarrão em vez de peixe”

“Ao invés de” significa o inverso. “Em vez de” significa no lugar de algo. Na duvida, vá com “em vez de”.

Erro: “Não sei aonde fica a biblioteca”
Forma correta: “Não sei onde fica a biblioteca”

“Aonde” só deve ser usado para passar ideia de movimento. “Aonde devo ir para conseguir autorização?” é um exemplo. “Onde” é para indicar lugar.

Erro: “Já fiz isso bastante vezes”
Forma correta: “Já fiz isso bastantes vezes.”
Parece estranho, mas quando usado como adjetivo, “bastante” deve variar em número. Também varia se for pronome indefinido: “bastantes coisas”. É invariável quando usado como advérbio: “bastante belos”, e como substantivo: “já fiz o bastante”.

Erro: “Agi com descrição”.
Forma correta: “Agi com discrição”.

“Descrição” é o ato de descrever. “Discrição” significa ser discreto.

Erro: “Descriminou todos os pobres”
Forma correta: “Discriminou todos os pobres”

Esse é um erro parecido com o de cima! “Descriminar” quer dizer “inocentar”. “Discriminar” significa distinguir, segregar.

Erro: “Deixei de ir à faculdade por que estava doente”.
Forma correta: “Deixei de ir à faculdade porque estava doente”.

Ah, os porquês! Separado, “por que” é um advérbio interrogativo de causa. Já “porque” é uma conjunção de causa.

Erro: “Não sei porquê”.
Formas corretas: “Não sei por quê” ou “não sei o porquê”.

“Porquê” substitui as palavras razão, causa ou motivo. É um substantivo e, por isso, tem plural – “os porquês”. Quando cai em fim de frase, ou antes de pontuação, o “que” ganha acento circunflexo.