02 fevereiro 2015

02 fevereiro 2015

Estágio vs. efetivo: diferenças na entrevista de emprego

O nervosismo continua o mesmo, mas o conteúdo, quanta diferença! Quando a gente sai da faculdade e começa a buscar um cargo efetivo, percebe algumas mudanças essenciais na hora da entrevista de emprego. Afinal, os potenciais chefes esperam lidar com um profissional completo, e não mais com um estudante em formação.

Confira onde estão as três principais diferenças entre uma entrevista de emprego e estágio:

No currículo
O estagiário deve montar um currículo com destaque, primeiramente, ao seu curso de graduação, com nome da faculdade e previsão de conclusão. É a primeira coisa que o empregador quer saber – a bolsa-auxílio varia de acordo com o ano da graduação, em alguns casos. A pequena ou ainda inexistente experiência profissional pode ser compensada com menção a atividades extracurriculares e idiomas. Já o CV do formado deve começar com a experiência profissional, mesmo que obtida só em estágios – muitos estagiários fazem trabalho de gente grande! Claro, formação acadêmica, atividades extras e idiomas contam muito durante toda a carreira e devem aparecer sempre no CV. Procure manter o seu CV completo, mas curto e objetivo.

Na conversa

Na entrevista de estágio, além do que você já sabe, é legal destacar o que você quer aprender no cargo. Isso mostra ambição e proatividade. As empresas compreendem que os estagiários estão em fase de aprendizado e, afinal, o papel delas também inclui contribuir para a sua formação. Mas esse tipo de tolerância raramente aparece para os profissionais que já deveriam estar preparados, mas não são qualificados. Quando estiver em busca de uma vaga efetiva, a ênfase deve ser sobre o que você pode dar para a empresa, de acordo com os requerimentos da vaga, e não ao contrário. Por isso, ressalte os conhecimentos obtidos na faculdade e em outras experiências na profissão.

Na decisão
Muito além da bolsa-auxílio, o bom estágio deve trazer experiências interessantes, que tragam peso ao CV e combinem com as ambições profissionais do estudante. Para tanto, o foco na hora de escolher o estágio tem que ser o aprendizado que ele pode proporcionar, para contribuir com a formação. Já em uma vaga efetiva, outros fatores entram em cena. Além de realização profissional imediata, é preciso pensar mais no longo prazo, refletindo se há perspectiva de crescimento na empresa. Não adianta o trabalho ser legal para você, se a empresa não tiver condições de oferecer benefícios concretos no futuro.

Viu o quanto muda o processo seletivo quando você sai da faculdade? Agora, existe um conselho que se aplica a ambas as fases: ser você mesmo. Os processos seletivos estão em busca da pessoa certa para o lugar certo. Por isso, não desista de buscar um lugar onde você se encaixe perfeitamente!

Agora, vai lá: sorte e sucesso nas suas entrevistas!