11 fevereiro 2019

11 fevereiro 2019

O fim da zona de conforto

Decisivo não só para a formação acadêmica, o período de faculdade tem muito impacto no desenvolvimento pessoal e profissional. Como um ambiente de vivência, a universidade permite o contato com diversas pessoas, opiniões, atividades e perspectivas - e isso é muito bom para se desafiar cada vez mais e aumentar seu repertório!

Independente de ser calouro ou veterano, aproveite as nossas dicas para sair da zona de conforto e atingir novos objetivos no próximo semestre:


1. Abrace novos projetos
Quando você estipula prazos e tarefas, a produtividade aumenta. Por isso, evite ao máximo a procrastinação e otimize seu tempo. Você pode fazer mais em menos tempo se ignorar as distrações. Assim, abre espaço para o autoconhecimento e aprende o que realmente é capaz de fazer, pois o processo de erro e acerto ajuda o aprimoramento.


2. Resista ao medo de tentar o novo
Aprender coisas novas não acontece de uma hora para outra! Respeite seu tempo e insista nas tarefas. Não deixar que a insegurança se torne um obstáculo é essencial para alcançar os resultados almejados.


3. Não se prenda a condições
A frase “eu vou começar depois 19h”, por exemplo, é uma maneira de se enganar. Não há momento melhor que o agora para iniciar! Confie em suas decisões e atitudes e comprometa-se.


4. Foque nos objetivos
Manter o resultado esperado em mente é uma boa forma de se motivar! Por mais louca que a rotina esteja, mostrar empenho agora é fundamental!


5. Planeje, mas também aprenda a improvisar
Manter um calendário te ajuda a cuidar da sua rotina detalhadamente e, assim, saber exatamente a quantidade de tempo que cada tarefa vai demandar, prevenindo imprevistos. Mas nem sempre as coisas acontecem do jeito que planejamos e, nessas horas, é importante ter jogo de cintura e manejar todas as informações. Você pode até se surpreender com o resultado!

Leia Mais >>

21 janeiro 2019

21 janeiro 2019

As horas complementares e sua importância

Para completar o aprendizado, é comum que as universidades tenham uma cota de horas complementares necessárias para que o estudante se forme. Elas servem para garantir que o aluno esteja em contato com diversas experiências, relacionadas ou não ao curso, e se desenvolva pessoal e profissionalmente.
Entregar os comprovantes dessas atividades pode ser bem tranquilo! Se organizar direitinho, essa pendência é resolvida sem problemas durante o curso. Aqui vão algumas dicas para agilizar esse processo:


1. Confira o que vale para seu curso

Muitas universidades aceitam ingressos de cinema, teatro, shows, palestras, cursos de curto, médio e longo prazo, grupos de estudo, participação em atléticas e mais diversas outras atividades de lazer ou não. Intere-se sobre a validade do que você tem feito e o que falta. Assim dá para organizar melhor seu tempo e procurar atividades que complementem as horas faltantes. É provável que uma parte dessas horas sejam destinadas a estágios, intercâmbios, pesquisas acadêmicas e iniciações científicas.


2. Verifique o prazo para entrega
Alguns cursos exigem que as horas sejam entregues semestralmente, outros ao final do período letivo, outros ainda aceitam após alguns anos da formação. Checar essas datas pode impedir problemas mais para frente.


3. Participe dos eventos da faculdade
O campus de uma universidade é repleto de experiências e atividades. Mesmo que seu curso não tenha nenhum evento próximo, com certeza outros estão acontecendo. Isso também vale para aulas extracurriculares e palestras.


4. Guarde comprovantes de tudo o que participar no período universitário
Ter uma pasta ou caixa com todos os certificados e ingressos é um modo para garantir a organização desses documentos tão importantes. Assim, você consegue ter uma noção de quais são as atividades necessárias faltantes e manter todas que já tem em um lugar de fácil acesso.


5. Cursos online

Fazer uma pesquisa sobre cursos online que se relacionem com sua área de atuação também é uma dica interessante: além da flexibilidade de horário, é possível desenvolver o aprendizado no seu ritmo.

Leia Mais >>

14 janeiro 2019

14 janeiro 2019

5 motivos para ouvir podcasts

Os famosos podcasts são uma mídia em crescimento, principalmente no Brasil, criada para divulgar informações, conteúdos, listas, playlists e muito mais através de áudios. Com eles, é possível descobrir inúmeros temas, ouvindo diferentes opiniões, canais, assuntos e interesses, quase como um blog. Quer saber bons motivos para aderir à essa prática? Confere a lista que separamos:
https://gph.is/2oIDLn2

1. São divertidos


Ouvir um podcast é quase como participar de uma conversa leve e descontraída com amigos. O melhor de tudo é que se o episódio está bom, você mal vê o tempo passar enquanto conhece um pouco mais sobre várias coisas novas.

2. Você pode aprender muito com eles


Como existem podcasts sobre os mais diversos temas, você pode entrar em contato com uma grande quantidade de informações. Ainda mais considerando que a maior parte é feita com especialistas e entendedores da área.

3. É uma forma gratuita de entretenimento


Há diversos canais de podcast gratuitos, que você pode ouvir e acessar na hora que quiser. Dá pra baixar no celular, no computador ou ouvir online via streaming.

4. Dá para fazer várias coisas enquanto ouve


Depois de um dia cheio no trabalho, de uma semana difícil na faculdade, em um feriado ou simplesmente no trajeto entre compromissos, dá para ouvir um podcast e se distrair um pouco. Não importa o que você esteja fazendo, o áudio pode te acompanhar e te distrair enquanto segue normalmente sua rotina.

5. Aumentam seu repertório cultural


Abordando diferentes pontos de vistas e perspectivas novas sobre muitos assuntos, os podcasts são maneiras de ganhar conhecimento sobre os mais variados conteúdos. Quem sabe dele você não tira uma ótima ideia ou descobre seu novo tema favorito? Eles são uma ótima maneira de se manter informado e conhecer coisas fora da caixa.


Conta pra gente nos comentários quais são seus canais favoritos!
Leia Mais >>

07 janeiro 2019

07 janeiro 2019

Diferentes modos de aprender

Ingressar em um curso universitário é uma grande conquista na vida! Aprofundar conhecimentos, descobrir mais sobre a área de atuação, conhecer referências sobre o assunto e ter orientação em algumas práticas são alguns dos principais benefícios de investir no ensino superior.
E, na hora de escolher qual é a melhor opção para você, vale pesquisar sobre as modalidades de ensino: isso fará toda a diferença na sua rotina pelo próximos anos! Confira a lista que fizemos para te ajudar a decidir. :)


1. Presencial


- O conteúdo do curso é exposto pessoalmente, ou seja, alunos e professores estão fisicamente no mesmo lugar ao mesmo tempo.
Horários fixos de aula.
- Atividades e avaliações realizadas em salas de aula ou laboratórios pertencentes à instituição.
- A frequência do aluno conta como requisito para sua aprovação.
- A interação pessoal permite disponibilidade para formatos diferentes de aula e o convívio com a comunidade acadêmica.
Permite relações de networking para além do curso escolhido, uma vez que o campus universitário é repleto de experiências.

2. Semipresencial


- Grade de horários e avaliações mais flexível, o conteúdo não é passado integralmente de maneira pessoal.
- Algumas atividades podem ser realizadas pela internet - em geral, elas são divididas entre presenciais e onlines.
- A experiência do campus também é vivenciada durante alguns dias por semana, o que permite a criação de redes de network e amizade entre os estudantes.
- A comunicação com o professor pode ser feita através de transmissões ao vivo ou gravadas.
- Frequência é parte da avaliação realizada para aprovação.

3. Ensino a distância


- Horários e locais de estudo totalmente flexíveis: é o aluno que decide quando, onde e em qual momento estudar.
- Algumas avaliações são realizadas de maneira presencial, para garantir o aprendizado.
- É necessário ter bastante foco e responsabilidade para realizar todas as tarefas no prazo.
- Essa modalidade dá mais liberdade ao estudante que quer estudar e trabalhar.
- O conteúdo fica sempre disponível para o aluno, podendo ser acessado em qualquer momento.

E aí, o que achou das modalidades? Qual se encaixa mais em sua necessidade? Conta pra gente!
Leia Mais >>

02 janeiro 2019

02 janeiro 2019

Iniciação Científica do começo ao fim

Parte muito importante da vida acadêmica de alguns estudantes, a Iniciação Científica é uma pesquisa desenvolvida por graduandos de universidades brasileiras. Essa prática, que funciona como o primeiro contato do aluno com uma pesquisa científica, acontece com o acompanhamento de um orientador especialista no assunto.
Saiba quais são as habilidades profissionais e pessoais desenvolvidas nesse projeto!


1. Conhecimento aprofundado


Construir, desde o início, a pesquisa sobre um tema é desenvolver um conhecimento. Para isso, é necessário explorar materiais existentes, conversar com especialistas da área, buscar outras referências e muito mais. Assim, você aprende muito sobre o tema e a área de atuação, produzindo uma linha própria de raciocínio.

2. Proatividade


Para conseguir informações que não estão na superfície, é necessário buscar diversas maneiras de aprender. Buscar novos saberes em fontes alternativas, conversar com pessoas fora do seu ciclo e pesquisar profundamente um assunto é uma característica necessária para uma pessoa proativa.

4. Curiosidade



Aceitar que nunca se saberá tudo sobre um tema é um modo de não ficar estressado sem necessidade, mas ter a mentalidade de que os alicerces do estudo estão em algum lugar e podem ser acessados, é fundamental para o projeto. Ter curiosidade é um grande diferencial, afinal, você passará muitas e muitas horas pesquisando sobre um mesmo assunto.

5. Motivação


Encarar o trabalho com responsabilidade e foco é essencial para concluir um bom projeto. Por isso, é necessário encontrar novos modos de manter a motivação, mantendo a dedicação. Estabelecer uma rotina de trabalho pode ser um bom modo de ajudar nessa questão.

6. Criatividade


Para atingir novos patamares de conhecimento, é necessário ter pensamento crítico e olhar para as informações de um jeito novo. Encarar os desafios com uma visão “fora da caixa” pode ser a diferença entre um projeto “mais do mesmo” e um realmente original.

7. Networking


Participar desses projetos é uma forma de conhecer novas pessoas. Talvez seu orientador sugira a participação de determinados eventos, palestras, grupos de estudo ou discussões acadêmicas! Nesse momento, é importante estar aberto para todas as experiências e aproveitar a oportunidade para fazer contatos.

Conta pra gente quais foram suas experiências com a Iniciação Científica! ;)
Leia Mais >>